Durante a documentação sobre quem a Vanessa e a Denise são, elas falaram algo que marcou muito: “Somou de contextos muito diferentes, mas temos sonhos muito semelhantes”.

 

A Vanessa estava com 24 anos quando nos encontramos, ela é de São Bernardo, cidade que pertence à São Paulo e ela apelida como ‘batateira’, pois é a terra da plantação de batata. Sua formação foi em direito e sempre trabalhou na empresa da família, o que não era uma escolha muito pessoal, mas comenta o quanto se sente amedrontada por ver suas colegas negras que se formaram ainda na busca por emprego e o quanto o mercado de trabalho está difícil pela desvalorização da profissão como um todo. 

 

A Denise estava com 25 anos quando nos encontramos, ela é de São Paulo, capital, mas sua família é da Bahia e sua mãe se mudou para o sudeste quando estava grávida. Há pouco tempo ela deixou para trás a administração e apostou na mudança de carreira, se tornou programadora e está sendo desenvolvedora web. Dentro da empresa, já trabalhou em alguns projetos de diversidade e inclusão, com questões raciais e LGBTs. Além disso, no seu tempo livre, adora fazer crochet, mandalas de lã e artesanatos. 

 

Quando a Vanessa e a Denise se conheceram, demorou um pouco para as coisas acontecerem. A Vanessa brinca que estava no momento de “piriguetear”, porque teve um relacionamento que durou três anos e que agora era o momento de baixar aplicativos, conhecer gente nova, sair e se divertir. Ela também fala da importância da conclusão que chegou em que só se relacionaria com outra mulher negra, porque percebeu traços abusivos e racistas no antigo relacionamento e não queria vivenciar esse tipo de trato novamente. 

 

Foi em 2017 que as duas deram ‘match’ num aplicativo de relacionamento e a Denise chamou a Vanessa para uma festa, a “Sarrada no Brejo” (pelo nome, obviamente, uma festa sapatão). Ela nunca tinha ido e topou, então se encontraram no metrô e conta que quando a viu com o cabelão logo pensou “Nossa, que mulher maravilhosa!”. 

 

Algumas amigas da Denise foram junto e a Vanessa foi sozinha, brinca que as amigas de cara odiaram ela, porque ela tem uma “cara meio marrenta e nada amigável”. Na festa elas dançaram, se beijaram, mas Denise também beijou outras pessoas, foi tudo meio caótico. Elas brincam que não se gostaram logo de início, tudo levou tempo. 




 

Na mesma semana da festa, ou melhor, do primeiro encontro, elas viram que iria ter um show da Ana Carolina com a Maria Gadú e resolveram ir. Mas, detalhe: o show aconteceria só dois meses depois. Compraram o ingresso mesmo assim. Nesse intervalo não saíram mais e pouco se falaram. No show, não ficaram. Estavam como amigas e a Vanessa até levou a Denise para dormir na casa dela - algo bem raro, porque nem amiga dorme lá - mas nada aconteceu. Ficaram alguns meses sem se ver ou se falar e, do nada, cerca de 4 meses depois, se reencontraram. 

 

Com esse reencontro, o encontro delas finalmente aconteceu. Encontro, no sentido de, ficarem juntas. Elas começaram a sair de verdade, se conhecer, querer se encontrar. Se viam todos os finais de semana, compartilhavam amizades, faziam programas bons e ruins, se divertiam e topavam conhecer vários lugares. 

 

Quando entenderem que estavam gostando uma da outra, foram passar o ano novo juntas com alguns amigos, em Santos, e foi lá que o pedido de namoro aconteceu. Alguns meses depois a Vanessa apresentou a Denise para a família dela e, logo depois, ela também caiu (literalmente) no dia que foi apresentada para a família da Denise (como isso é bem peculiar, a gente precisa registrar por aqui).

Depois de estarem se relacionando, a Denise passou por um momento bem difícil no qual saiu da empresa que trabalhava por estar passando por situações de preconceito e por não estar mais conseguindo se desenvolver. Isso desencadeou em crises de ansiedade e depressão, e foi fundamental o apoio da Vanessa e todo o suporte que ela deu. 

 

Quando a Denise conseguiu se desvincular do trabalho e receber seus direitos, elas juntaram as finanças e decidiram ir para a Nova Zelândia. Denise conta como era um sonho fazer uma viagem internacional, por ser a primeira da sua família a se formar no Ensino Superior, viajar ao exterior era algo praticamente impensável, mas ela queria fazer novamente algo que ninguém tinha feito antes. A Vanessa se incluiu nesse sonho, fez a pesquisa dos valores e disse: “A gente consegue!”. 

 

Por mais que a Vanessa e a Denise se encontrem em muitos caminhos, a vivência delas ainda era muito diferente: a Vanessa morava em uma mansão e a Denise morava na frente de um córrego, numa rua que não era asfaltada. Isso sempre trouxe recortes de classe muito fortes. 

 

No início foi muito difícil fazer o encaixe, mas aos poucos entenderam que era possível uma ensinar para a outra o que aprendeu com a vida. A Vanessa mostrava o caminho para chegar aos sonhos, mostrava uma nova realidade também, era uma outra forma de falar, outros costumes… Enquanto a Denise mostrava correrias diárias, mostrava que não entrava em casa como as da Vanessa a não ser para limpar, junto com a mãe dela, que a visão que ela tinha das coisas era diferente e que também precisava-se de calma para viver entre os dois mundos. Só com muita conversa diária elas foram se entendendo e aprendendo uma com a outra.  

A viagem para a Nova Zelândia aconteceu, e elas brincam: “Ou a gente volta casada ou a gente se separa de vez”.

 

E foi acontecendo. Hoje em dia, a demonstração de afeto delas chega através das brincadeiras, das zoações, dos pequenos (grandes) carinhos e da parceria para tudo. Elas não foram crianças que conviveram com grandes afetos físicos demonstrados o tempo todo, então o afeto que sentem uma pela outra é colocado de outra forma, de uma forma que se combina e se entende. 

 

Hoje em dia, elas se entendem enquanto um casal que tem muita consciência. Se amam e querem se amar cada vez mais, e em relação aos outros - ou à vida, em sociedade - nunca mais irão deixar que alguém as coloquem para baixo. 

 

A Denise diz: “Acho que a nova geração tá vivendo uma coisa que não tivemos na nossa infância. A gente cresceu com aquela ideia de que ‘’preto é feio’’ ‘’seu cabelo é feio’’ ‘’sua pele é feia’’. Quando comecei a trabalhar num ambiente branco eu escutava que era nojenta, que não deveria trabalhar ali, que deveria trabalhar isolada porque eu incomodava. Eu não tive o suporte que ela teria porque a família dela tinha mais acesso, seria uma discussão diferente. Eu chegava muito abalada em casa e escutava ‘’filha, é isso, o mundo é esse e você se vira. Você precisa colocar comida em casa, então te vira’’.” 

 

Mas não é pela Vanessa estar num ambiente elitista que ela deixou de sofrer racismo, então ela também completa com a sua versão: “No meu caso foi o seguinte: uma das piores coisas que aconteceu comigo - fui numa balada, festa da minha faculdade. Um colega de classe sabia que eu me relacionava com mulheres e ele me agrediu. Estava bem no fim do ano, em época de prova. Meu pai todos os dias ia pra faculdade comigo, entrava na faculdade, sentava do meu lado, esperava eu terminar a prova pra ir embora comigo. No final, eu tive que mudar de horário, porque o branco, enfim, né…”. 

Depois de relatar sobre alguns casos de racismo vividos, Vanessa emenda logo no amor que as duas sentem: “Pra mim o amor é: liberdade e preto”. Liberdade porque o amor precisa ser livre para deixar a pessoa ser quem ela é e, também, para que a pessoa possa fazer o seu caminho. E Preto porque ela levou muito tempo para se amar enquanto mulher preta, e conta que depois que descobriu esse amor passou a amar muito mais seus familiares, amigos e a Denise de uma forma diferente. O amor preto não é só amar ao próximo, mas cuidar dos seus, estar por perto de verdade. Amar o que sempre foi ensinado que era feio.  

 

A Denise conta sobre a tatuagem “Idem”: “Então, eu tenho o meu Idem, minha tatuagem, o termo Idem eu sempre usei pra falar sobre reciprocidade. Acredito muito nisso em todas as minhas relações, sou uma pessoa de poucas relações afetivas. Penso no amor como algo recíproco, esse bem estar que você gera no próximo e que também quer gerar a si. Claro que as pessoas têm diferentes níveis, amores e reciprocidade. Me relacionar com uma mulher é exatamente isso, me reconhecer na outra, o que tem de mim na outra e o que tem na outra em mim.” Ela conta que nunca pensou que iria receber um amor afetivo até amar uma mulher. Amar uma mulher é ser reconhecida, respeitada e saber que tem alguém para te acolher. “Penso que amor também é sobre me sentir acolhida por amar uma mulher.” 

 

A Vanessa e a Denise entendem que é impossível se relacionar sem fazer o recorte de raça, classe e gênero. O amor preto é revolucionário, o amor entre mulheres é revolucionário. Por todas as dores que elas já passaram juntas e por nenhum momento mais que querem ser invizibilizadas, querem ter seu amor e seu corpo reconhecido, respeitado e humanizado. 

 Vanessa 
 Denise