A história da Sharon e da Vivian te ajudou de alguma forma?

Gostaria de mandar uma mensagem para elas?

Vem cá que conectamos vocês ♥

 

 

Tem alguma proposta de trabalho para elas? Opa! Pode mandar por aqui! 

 

 

Quer contribuir financeiramente com o Documentadas

para conseguirmos registrar cada vez mais casais por esse Brasilzão?

cá entre nós, é muito fácil! Se liga no PIX, aqui :D

Por fim, falamos também sobre o futuro e sobre mudanças sociais que gostaríamos de enxergar. A Sharon trabalha atualmente em uma empresa própria que atua um pouco entre turismo e entre o meio corporativo… as empresas contratam a plataforma dela para premiar seus funcionários através de campanhas de venda/metas/aniversário de casa e os prêmios são bastante variados, mas antes da pandemia envolviam viagens, jantares, presentes, passeios de balão, etc. Ela enfrentou um baque muito grande na pandemia, precisou devolver a sede fixa, passar por muitos cortes, inclusive de funcionários, se reinventar muitas vezes de muitas formas. Hoje em dia se adaptaram para que os presentes sejam em casa (e ainda possuem alguns fora), mas reflete muito sobre como tudo precisou ser mudado e sobre como as mudanças vão demorar anos para nos restabelecerem.

 

Ela fala também sobre a importância de ocupar espaços sendo quem somos, de dar as mãos em público, de falar com os filhos, estabelecer diálogos, abrir mentes. Sobre esse trabalho que acaba sendo um pouco de um a um, mas que traz representatividade e que vai mudando em comunidade quando o primeiro decide dar o passo.

 

A Vivi também entra nesse assunto, mas com um ponto de vista da realidade que ela vive envolvendo a agroecologia. Fala sobre a importância da reforma agrária, sobre a quebra de acúmulo absurdo de capital que existe no mundo atual e traz um ponto muito importante: o de trazer mulheres pretas invertendo as coisas. Ela explica que é quem ela é pelas pessoas por quem ela passou, e que essas pessoas por quem ela passou não são brancas, por isso quer ver pessoas não brancas nos espaços de poder, nos espaços que ela frequenta, em todos os espaços que puderem ser possíveis estar. Acredita que só assim as coisas terão alguma chance efetiva de dar passos para frente. Da mesma forma, ela tenta ensinar tudo o que pode para a Rafa, porque acredita também que uma Rafa lá na frente vai fazer a diferença. “Pessoas reais ocupando espaços reais são o que, no dia a dia, faria reflexo”.

Quando falamos de amor, a Vivi entende que o amor é você se permitir colocar no lugar do outro: de toda criatura. Seja pessoa, seja planta, seja bichinho. É se colocar e estar bem se colocando. Sentindo calor no peito, uma plenitude e um saciar, ou melhor, um transbordar. E por mais que não concorde, por mais que sofra, você não sente sozinha, porque o amor é social. 

 

A Sharon acha que o amor envolve nunca querer ver a pessoa que você gosta triste. Acho que no começo a gente interpreta essa frase de uma forma, mas é possível ler ela de inúmeras maneiras. Primeiro porque sempre fazemos de tudo pelas pessoas que a gente gosta, meio que sem explicações, não sabemos como explicar isso, mas a verdade é que fazemos porque gostamos. E aí entram nossas mães, filhos, amigas, pessoas amadas… E segundo porque entram situações como a dos filhos, por exemplo, que você precisa ensinar a frustrar, porque se você não ensinar, você não ama, e você ensina isso porque você quer ver ele bem. É quase que uma loucura, mas faz parte desse amor. É uma forma de sempre ir se desdobrando para chegar num objetivo final, que é sempre trazer coisas boas à pessoa que você gosta, e não deixar ela triste.

 

Quando destinamos esse amar ao assunto de amar outra mulher falamos que o amar outra mulher é sensual - “porque é um afeto de mulher, é uma condição de mulher” - e é também se ver longe de muitos machismos. A Sha identifica a relação das duas como um encaixe, como algo que ela nunca teve com ninguém, ainda mais com um homem. Principalmente pelo cuidado, pelo apreço, pela comunicação… por algo que só a mulher saberia proporcionar. Citamos por um tempo a questão de quando uma mulher está em um dia que ela não quer ter relações sexuais, por exemplo, ela pode falar, que as duas vão arranjar algo para fazer juntas, uma comida gostosa, assistir um filme ou qualquer outra coisa, enquanto milhares de mulheres passam por relações de forma “obrigatória” por não conseguirem dizer que não querem ter uma relação sexual com um homem. Como pode isso ainda acontecer com tantas mulheres? E de que forma também as outras relações poderiam ter mais diálogo? Ou, de que forma que em relações heterossexuais normativas, por exemplo, os casais pudessem trabalhar melhores formas de escuta?

Manter a casa e a família é um desafio muito grande e a casa surgiu em um momento de muito aperto também, foi logo depois que elas contaram para as crianças e quando a Sha ainda morava em um apartamento sozinha com os dois pequenos que houve uma tempestade em São Paulo e muitos pontos alagaram, inclusive este prédio em que ela morava. Foi uma situação de muita correria e desespero, porque a garagem inundou, tiveram que retirar as pessoas do local, a Vivi ajudou ela com as crianças e por conhecerem e terem contato com a vizinhança, a comunidade e o pessoal da escola, alguns conhecidos souberam do ocorrido e comentaram sobre uma casinha que estava ficando disponível porque os inquilinos estavam saindo do Brasil. Decidiram dar uma chance e fazer uma visita, talvez pudesse ser legal, estar em boas condições e ser um valor possível de pagar, então marcaram um horário. Quando chegaram, a primeira coisa que viram foi o portão amarelo e aí a Vivi reconheceu que justamente ali, o portão e a árvore de Ipê que ficava em frente à ele, foi ela quem plantou há anos atrás, quando foi convidada a vir ao bairro fazer parte de uma arborização. Tudo na história foi se encaixando perfeitamente e a casa coube direitinho nos planos: virou o lar.

 

A relação dos quatro também foi uma construção de muito cuidado e muuuuuuuito afeto. Por mais que elas transbordem amor, a família paterna das crianças ainda é um tanto quanto homofóbica, então elas enxergam que na nossa sociedade existem lados muito opostos sobre as coisas. A Sha e a Vivi acabam falando mais sobre a Rafa, por conta dela ser maior e já entender melhor como tudo funciona e por apoiar e defender muito as duas na frente da família paterna, o quanto ela mesmo já reconhece as duas enquanto mães e a forma que em detalhes mostra o apoio, desde ouvindo músicas de cantores LGBTs até desenhando e pintando vários quadros de arco-íris pela casa. Tanto ela quanto o Raul entendem que o preconceito ainda existe no mundo, mas muito mais que isso entendem o amor deles pela Vivi, porque são apaixonados por ela. Quando ela está no sítio eles ficam doidos para que ela volte para São Paulo, sentem saudade, querem ela perto. E assim vão construindo suas rotinas e tendo suas vidas enquanto uma família. Eles a reconhecem e isso é o que importa. 

Aos poucos elas foram se encontrando e ficando realmente juntas. A Sharon, há um tempo atrás, já preparava os filhos em casa introduzindo assuntos como esse. A Rafa hoje em dia tem 12 anos e o Raul tem 7 anos, e ela sempre falou muito sobre diversidade, sobre as pessoas serem livres para amar quem elas sentirem atração, sobre as múltiplas lutas sociais e tudo o que nos envolve. Foi um passo muito importante assumir o relacionamento com a Vivi e também muito engraçado ouvi-las contando. Como eles eram bem mais novos, tudo ainda era uma incógnita e elas não sabiam como reagiriam. 

 

O fatídico dia realmente aconteceu logo depois do natal, quando as crianças foram passar a ceia na casa do pai, a Vivi foi até a casa da Sharon e deixou alguns bombons de FerreroRocher. Quando as crianças chegaram em casa, no dia seguinte, encontraram o presente e estranharam, porque a Sha não costuma comprar chocolates, então ela chegou e falou “vem cá! Senta aqui!” e em seguida “gente, é o seguinte! A mamãe tá namorando! E é uma menina!”. Ela conta a cara de surpresa em tom muito animado que a Rafa fez, enquanto ela completava “e foi ela quem deu esse bombom para vocês!”. E então eles piraram, ficaram animados, fizeram uma vídeo chamada com a Vivi, que já estava em Minas Gerais passando o Réveillon e marcaram de se conhecer pessoalmente assim que ela voltasse no início do ano. 

 

O encontro aconteceu e foi uma viagem, uma trilha que durou alguns dias. Foi incrível, em um lugar muito bonito. No primeiro dia envolveu um certo estranhamento das crianças sentindo que a mãe estava namorando alguém, mas no decorrer da viagem já estava todo mundo se divertindo e no último dia a Rafa deu uma flor de presente para a Vivi. Ela conta que pegaram ondas juntas e que todo mundo se divertiu muito. Hoje em dia todos moram na mesma casa, trocam muito e falam sobre a educação das crianças o tempo todo. A Sha conta que sente que as coisas aconteceram no momento certo, porque elas vivem uma maturidade única agora, e as crianças também. A Rafa entrando na adolescência com a presença das duas é muito importante, porque ela pode se sentir à vontade para compartilhar muitas coisas e a Vivi acolhe muito ela também, as duas possuem muita confiança uma na outra. 

Por mais que estejam juntas há um pouco mais de dois anos e meio, a Sharon e a Vivian se conhecem desde os 14 anos. Tudo começou quando a Vivi fazia capoeira com a irmã da Sha, dos 14 até os 17. Depois disso, por mais que as melhores amigas delas sempre se mantivessem em contato e elas sempre ouvissem falar uma da outra, elas seguiram a vida e não se viram mais. Cresceram, casaram, se mudaram e nunca se encontraram. 

 

Foram muitos anos depois, logo depois da separação da Vivi que ela decidiu sair de casa e ir até um samba encontrar as amigas e quando chegou lá viu a Sha. Importante contar que a Vivi, desde os 14, sempre se relacionou com mulheres, enquanto a Sha foi pelo outro lado: ela se relacionava com homens quando era mais nova, então se casou, engravidou, divorciou e depois ficou com a primeira mulher. Nessa época, ela já tinha tido algumas experiências e estava lá curtindo o samba. 

 

Elas brincam que não sabem o que aconteceu exatamente, mas estavam sentadas uma do lado da outra e a Vivi grudou a perna na perna da Sha. Foi um ímã. Ela colou a perna e a partir daí surgiu a possibilidade delas se beijarem. Quando o beijo rolou, todas as amigas comemoraram muito! Ou melhor, nem acreditavam! Imaginem só. Eram as melhores amigas de todas as amigas, juntas! E foi aquele beijo de levantar perninha, de seleção brasileira vibrar! 

Ter encontrado a Sharon e a Vivian foi uma das melhores surpresas que o Documentadas poderia ter recebido em sua primeira passagem por São Paulo. Por mais que toda história tenha sua carga gigantesca de importância e seu conteúdo único no nosso banco de registro e de dados, a Sha e a Vivi ocupam um espaço de reflexão e aprendizado grande não só no projeto, mas na vida e no dia de quem irá percorrer os olhos lendo e conhecendo suas histórias no texto a seguir.

 

A Vivian tem 37 anos, é agrônoma e agricultora, trabalha diretamente na roça, em uma fazenda no triângulo mineiro. Vive entre Minas Gerais e São Paulo, lugar onde divide a casa com a Sharon, os filhos (a Rafa e o Raul) e as duas cachorras mais simpáticas da zona sul. Já a Sharon também tem 37 anos, mas ela é total São Paulo, por mais que ainda seja apaixonada pela natureza em todas as suas formas e jeitos. Ela trabalha em uma empresa própria, que atua em um ramo sobre premiação por experiências (no decorrer do texto falamos mais um pouquinho sobre!) e, além dos trabalhos, ela e a Vivi também fazem diversas atividades na luta política - arrecadam doações para as comunidades próximas, possuem ligações com as mulheres agrônomas do MST e a Vivi também é veiculada à um grupo de agroecologia em Uberlândia.  

 

Acredito que a casa delas, no meio da zona urbana e de tantos prédios em São Paulo, nos faz quebrar qualquer ideia pré estabelecida sobre a cidade cinza. É uma casa que, além de um portão amarelo e as paredes cheias de artes feitas pelas crianças, a alegria das cachorras e a animação natural do ambiente, conta com um terraço repleto de plantas, flores e pássaros que chegam livres, das árvores, para comer as frutas que elas colocam. São de muitas espécies, tamanhos e ficam muito dóceis por já estarem acostumados em ganharem as frutas. Foi neste ambiente que conversamos e nos conhecemos. Esqueçam barulhos de carros ou poluição e céu cinza, por ali só tivemos pôr do sol e muita cantoria ao vivo! ♥

 Sharon 
 Vivian