a palavra está com elas


 

Nonô: não precisamos ter medo de dizer que somos lésbicas.  Quero reinvidicar a palavra lésbica e naturalizar ela no contexto correto, não fetichizado, para não termos medo de dizer que somos lésbicas. Além disso, quero demonstrar que essa questão da feminilidade existe e, mesmo que eu não seja um padrão do absurdo feminino, tá tudo bem não ser esse padrão, porque todas nós continuamos sendo mulheres e mulheres incríveis, lindas, diversas. 

 

Mari: apesar de parecer o fim do mundo e de sentirmos ser o fim do mundo, é o contrário, é um mundo novo se abrindo. Além disso, toda vez que alguém virar pra você e falar que a vida que você está escolhendo não é correta, não dê ouvidos porque você pode ser exatamente o que quiser. Pode ser mega alternativo ou pode ser o mais careta do mundo, como nós, mas conquiste isso, até porque precisamos estar em todos os lugares, nos lugares pequenos, grandes ou médios, vamos ser tudo o que quisermos ser - o negócio é você se aceitar, acreditar na sua verdade - e a partir desse momento não importa mais quem diga que você está errada, porque você sabe que não está. Sabe aquela frase bíblica que usam muito? “a verdade vos libertará”? Então, entenda isso como a tua verdade. Ninguém nos impedirá de viver uma coisa tão bonita como o amor. 

A Mari se inspira nas famílias LGBTs que ela acompanha online. Essas famílias a trazem esperança - e assim elas aprendem a admirar suas famílias também, em como se permitiram entender, aos poucos, o relacionamento. 

 

São mulheres que sonham em formar seu próprio lar. 

 

 

 


 

A história da Mari e da Nonô te ajudou de alguma forma? Gostaria de mandar uma mensagem para elas? Vem cá que conectamos vocês ♥

 

 

Tem alguma proposta de trabalho para elas? Opa! Pode mandar por aqui! 

 

 

Quer contribuir financeiramente com o Documentadas para conseguirmos registrar cada vez mais casais por esse Brasilzão? cá entre nós, é muito fácil! Se liga no PIX, aqui :D

Quando fazemos parte de uma minoria acontece com frequência uma forma de justificativa categorizada como “apesar de”, e tanto a Mari quanto a Nonô sentiram na pele o que é isso. A Mari sempre foi uma aluna muito boa, sempre teve as melhores notas e era perfeita para os outros. Então, mesmo com diversas mudanças repentinas na vida, como a saída do armário e a mudança de cidade, vincularam o fato dela ter tirado uma nota mais baixa com o relacionamento amoroso delas, como se isso pudesse ser o verdadeiro fator prejudicial. Elas passaram a comprar juntas essa briga e a lutar pelo respeito que mereciam. Hoje em dia ainda se veem nesse papel de “apesar de namorar uma mulher, a Mari é uma excelente profissional” e entendem que isso é um problema social, mas em suas próprias palavras, elas não esperam que as coisas cheguem resolvidas na vida delas, mas sim que resolvam juntas. Sempre se mostram muito determinadas a promover mudanças. 


 

“Amor é pão feito em casa”, foi assim que começaram a explicar o que pensam sobre o amor entre mulheres. Vocês já tentaram fazer um pão em casa? É preciso uma dedicação absurda, cuidando e dando atenção para que a massa seja gostosa. Essa dedicação pode vir à flor da pele, de forma vibrante, mas ela realmente caminha quando tudo se acalma e passa a ser de uma forma genuína, com cuidado aos detalhes. Além disso, amar se constrói por causa DE e apesar DE. 

Depois que elas postaram a primeira foto juntas (após um ano de relacionamento), viram alguns seguidores indo embora. Foi neste ato que entenderam que realmente estavam fora do armário. Hoje em dia elas reivindicam a importância de sermos referência para quem está perto de nós, dar apoio aos nossos, inspirar outras mulheres que passam pelo mesmo que elas passaram. Acham que, no geral, é muito importante vermos LGBTs na mídia  “abrindo um pouco o caminho” e quebrando algumas barreiras do preconceito,  mas comentam que ainda sentem falta de se ver nessas pessoas, de sentirem identificação. Por isso, abrem suas redes sociais sempre para ajudar quem está se descobrindo. 


 

A Mari foi arrancada do armário - como a mãe dela descobriu, ela não teve a condição de se sentir confortável para contar - e isso aconteceu  num momento muito vulnerável. A Nonô já teve seu tempo mais respeitado e pode contar para a sua família. A avó de Nonô, cujo ela tinha o maior medo de contar, reagiu de forma engraçada e acabou entendendo - na verdade, foi a pessoa que mais aceitou. A família da Mari se dividiu em algumas partes… a mãe reagiu de forma difícil, o pai passou a tentar entender os motivos. Mesmo com muitas dificuldades, o tempo foi passando e elas foram crescendo muito juntas, então a família foi entendendo e respeitando o grande apoio que uma dá para a outra. Hoje em dia, elas possuem estabilidade e o desejo de uma vida tranquila.

A Mari e a Nonô se encontraram (e se encontram diariamente) de muitos jeitos, mas principalmente na arte. Elas amam musicais e possuem um projeto de criar listas sobre filmes e séries para a comunidade LGBT. A Mari também ama atuar, a Nonô apoia bastante, enquanto aprende a tocar baixo. Mari trabalha atualmente como design de mídias sociais, além de estudar Relações Internacionais... e Nonô estuda licenciatura em artes, sonha em ser professora, faz iniciação científica no PIBID, mas também adora estar em produções - de teatro, de cinema… hoje em dia elas estão em home office e Nonô busca trabalhos na área da comunicação também. Passam o dia juntas em um apartamento, na Ilha do Governador, com seus dois gatos: a Elis e o Chico.

 

Escolheram fazer as fotos no apartamento porque esse lugar representa o verdadeiro significado de casa. Foi ali que pela primeira vez fizeram as compras do mês, viram filmes no sofá da sala sem medo de recriminações, puderam ter os gatos, cozinhar e conquistar a intimidade juntas. É na casa que acontecem seus momentos favoritos, como o de fazerem o almoço no meio do home office e depois sentarem para ver uma série, mas acabam passando um pouquinho da hora do almoço e só depois voltam a trabalhar. É nesse apartamento que abraçam os gatos e depois reclamam de ter pelos pelo corpo, nesse apartamento que separam seu tempo de criar, de construir e de se cuidar. 

Talvez o segredo da Mari e da Nonô terem dado tão certo é o fato delas crescerem muito juntas. 

Esse fato fez com que a família, mesmo com diversas dificuldades, dia após dia, passasse a acreditar de verdade no amor delas. Fez também com que elas começassem a entender o que pode ser o amor. 

 

Mariana tem 20 anos, Nonô tem 19. Elas se conheceram ainda no colégio, no ensino médio. Mari tinha passado por algumas situações… precisou se mudar da cidade onde estava morando, em Barra do Piraí, no interior do Rio, para a capital. Por um tempo se sentiu sozinha, tentou seguir um padrão de vida do qual não se sentia bem de verdade, e por ser o mais confortável, encarou o padrão heteronormativo. A família dela era bastante conservadora e evangélica, ela sempre frequentou a igreja, seguia sua vida sendo uma boa aluna, uma boa filha e uma boa namorada. 

 

Voltar a morar no Rio significou um escape naquele relacionamento que ela mantinha. E foi no Rio que conheceu Nonô, assim que chegou na escola. Nonô sempre gostou muito de artes - ama materialidades, sentir o têxtil, pinturas, tocar instrumentos, jogos, cinema, teatro… e também sempre sentiu que poderia gostar de mulheres. Nonô me explicou sobre a importância de quebrar o tabu que fica envolta da palavra lésbica, porque mesmo ela sabendo que era, acabava por usar “gay” ou “sapatão” e cultivava certo medo de dizer a palavra. Quando entendeu as raízes preconceituosas desse medo passou a tentar aos pouquinhos desconstruir isso, e hoje faz questão de dizer sempre: sim, sou uma mulher lésbica.

 Nonô 

 Mari