A história da Jojo e da Ana te ajudou de alguma forma? Gostaria de mandar uma mensagem para elas? Vem cá que conectamos vocês ♥

 

 

Tem alguma proposta de trabalho para elas? Opa! Pode mandar por aqui! 

 

 

Quer contribuir financeiramente com o Documentadas para conseguirmos registrar cada vez mais casais por esse Brasilzão? cá entre nós, é muito fácil! Se liga no PIX,

a palavra está com elas

Joana: o que eu gostaria de dizer pras pessoas que lerem essa história é pra que elas acordem todos os dias lembrando que o amor é livre, todo amor é lindo e nosso amor é divino! 

Ana Clara: quero dizer que as coisas difíceis, os preconceitos e não-aceitações, ficam mais fáceis e leves quando você ama alguém e é amado de volta.

Acreditam que o amor entre mulheres pode ser mais fácil e mais difícil ao mesmo tempo, então classificam como diferente. Mesmo que ambas tenham tido relacionamentos legais com homens, o amor entre elas rola com maior identificação - falaram também sobre ser diferente por ser um amor político, por todas as diferenças que já foram impostas a viver.

Conversamos sobre como a cidade nos obriga muito a nos reafirmarmos e que isso, em algum momento, pode ser cansativo. Elas comentaram que se pudéssemos escolher uma cidade diferente, fariam diversas mudanças: desde poder andar de mão dadas na rua, até levar os debates para as igrejas, educação sexual LGBT para as escolas (incentivando também que a educação sexual fosse ampliada a partir de políticas públicas) e que mais profissionais da saúde estivessem preparados para atender os LGBTs. Ana comenta também a dificuldade que sente em curtir alguns eventos sem assédio - não queria que as festas fossem rotuladas como hétero ou LGBT, mas sim que os públicos circulassem, frequentassem ambos espaços sem sofrer preconceitos e que, principalmente, se duas mulheres se beijassem nas “festas heterossexuais” elas não tivessem medo pelo grandioso assédio que podem sofrer. 

  

Essa relação é cheia de ‘se’. Ambas se atrasaram, por isso se esbarraram. Se a amiga da Joana tivesse chegado na hora, elas não estariam no metrô na mesma hora. Se a Joana jamais tivesse tentado um beijo no bloco, não saberiam nem o nome uma da outra. Se o trajeto do metrô fosse mais rápido, não teriam se olhado tanto. Se fossem para outro bloco, se não fizessem aquele trajeto no meio do bloco antes de se esbarrar, se um passo fosse dado e mudado todo o caminho, não teriam se encontrado. Se o pedido de namoro não fosse graças a um eclipse que estavam vendo na praia, se não tivesse tocado a música que fez o pedido acontecer…elas não teriam crescido tanto juntas. 

Ou, por fim, se a gente não acreditasse tanto em todas as coincidências do mundo.

A religião esteve presente durante toda a nossa conversa e isto se deu através de falarmos muito sobre o amor. Jojo explica que foi através do amor que ela decidiu voltar para a igreja, mesmo sabendo que o preconceito faria com que tudo fosse mais difícil… “o amor é o que sobra de verdadeiro depois que a paixão vai embora” e “não gosto de ter rotinas, mas pra mim, o amor significa essa rotina, porque ele é cotidiano e participa das coisas como um todo”.

 

O amor delas se constrói através de uma relação não-monogâmica, e para a Ana foi um grande desafio inicial, porque é totalmente diferente de todos os relacionamentos que viveu. Ela é uma pessoa que nunca gostou da monogamia, por achar ser egoísta no sentido de ter o amor como uma propriedade, mas ainda assim foi difícil desapegar dessa cultura monogâmica. Foi uma decisão dela, também, se permitir. A Joana já tinha tido relacionamentos abertos, mas não fez pressão para que o delas obrigatoriamente fosse assim. Hoje em dia, a Ana se vê muito mais livre. Ela entende que o ciúme possa existir, e que, principalmente, o relacionamento aberto não faz com que não seja permitido sentir isso, mas com que você se abra para entender o que é esse sentimento e de onde ele vem.

Falamos mais ainda sobre o amor porque as duas se definem como pessoas-que-amam-demais. Não veem problema em sentir o amor de forma rápida, serem intensas… da mesma forma que não querem limitar o amor. Costumam ser pessoas apaixonadas: “amar muito, por muito tempo” e  “nunca me conheci sem estar amando alguém”. Debatemos sobre no primeiro momento isso soar problemático, mas em terapia elas foram entendendo que o amor e o amar fazem parte do seu ser. 

Há dez meses estão juntas e afirmam: não querem se usar para tapar buraco de outras relações. Deixam claro que no relacionamento delas tudo pode ser compartilhado e conversado, falam sobre a importância de conversar e se mostram aberta ao diálogo em qualquer situação. Não acreditam na história de “ex louca”, mas de relações que não deram certo (e tudo bem não dar). Inclusive, fomentam grande amizade com a Lais, ex da Joana, e  uma das pessoas que ela cita quando pergunto quem ela mais admira/se referencia no seu dia a dia.

 

A Ana tem 19 anos. É tatuadora e ama fortemente tudo o que envolve o circo. Ela conta que se inspira muito na Elisa, uma tatuadora do rio, e na Letrux, a cantora - e a banda. Ana define o amor como querer viver com a pessoa, querer compartilhar, querer estar presente e sentir admiração. Sua estação preferida é o verão, quando ela se sente bonita, feliz, viva, confortável, quando usa suas roupas favoritas e vive a liberdade. No dia em que elas se pediram em namoro, foi assim que ela definiu a Jojo: você é como se fosse o verão pra mim.

 

A Joana tem 21 anos, é formada em jornalismo e trabalha com mídias sociais. É uma pessoa que se dedica muito ao estudo, além disso, frequenta a igreja católica de forma muito ativa. Reivindica o fato de ocupar espaço enquanto LGBT dentro da igreja porque é um lugar que precisamos estar. Na sua construção enquanto mulher, cita vários nomes de pessoas famosas que ajudaram durante o processo, desde Marisa Monte até Anitta, mas pede para eu apagar tudo quando lembra da Letrux. Letrux é um grande símbolo da Jojo e da Ana enquanto indivíduos e enquanto casal. Além disso, cita também outras pessoas que se referencia: a Mari, sua primeira chefe; a Lais, sua ex namorada e a Luciana, uma mulher evangélica de Minas Gerais que produz um podcast do qual mostra a religião sob um novo olhar. Inclusive, a Luciana fez com que ela entrasse para um grupo de mulheres lésbicas e bissexuais que estão dentro das igrejas. 

“Em outros tempos eu nunca chegaria nela, nunca tomaria iniciativa, não sei porque naquele dia eu tomei”, diz Joana. Joana, que por sinal, estava noiva - mas num relacionamento aberto. E Ana, que por sinal, estava namorando outra pessoa também. A coragem veio e Jojo tentou pedir um beijo à Ana, mas ela explicou que namorava… optaram por trocar contatos, já que ainda poderiam ser amigas. 


 

Algumas semanas depois foi o início da pandemia. Ana não estava bem no seu relacionamento, tudo estava bastante confuso, então acabaram optando pelo término. Jojo tampouco estava bem também, seu noivado era mantido à distância (e que distância! Países diferentes) e nada se encaminhava. Eis que um dos assuntos mais comentados das redes sociais era Big Brother Brasil e elas começaram a interagir sobre o assunto.

 

Um tempo depois terminaram seus namoros e decidiram se encontrar. Assim, as duas, entre uma pandemia, decidiram dar uma chance para construir um relacionamento. 

A história de amor da Ana e da Joana é digníssima de um filme daqueles que você pensa que nunca vai acontecer na vida real, sabe?

 

Começou em um domingo de carnaval no Rio de Janeiro, logo cedo, quando estavam pegando o metrô para chegar num bloco - o Tocoxona. Assim que chegaram na estação, ainda na espera do metrô, se olharam pela primeira vez. Ambas estavam com seus respectivos amigos e Ana, inclusive, comentou com um deles: eu namoraria aquela menina. O metrô chegou, e assim, passaram a viagem toda no mesmo vagão, sentadas uma de frente para a outra, se olhando. 

 

A “coincidência” ou o “destino”, chamem como preferir, nunca para por aí. Elas acabaram descendo na mesma estação, chamada Glória, mas foram para lados opostos. 

 

Elas não imaginavam que estavam indo para o mesmo bloco, por mais que o Tocoxona seja atualmente um dos blocos mais representativos das mulheres lésbicas e bissexuais na cidade do Rio. Este bloco, cada vez mais popular, costuma lotar um grande espaço no Aterro do Flamengo, e pra quem nunca esteve no Aterro, eu explico: quando você quer encontrar alguém já é bastante difícil, imagina na sorte?

 

Óbvio que elas tiveram sorte. Por mais que cada uma tenha ido para um lado e seguido com seus grupos, em determinado horário da festa elas se esbarraram no meio da multidão. 

 Joana 

 Ana Clara