A Amanda e a Thais se conheceram através do mais famoso e conhecido aplicativo de relacionamentos dessas bandas, o Tinder. Elas já estavam meio “saturadas” de navegar por lá, confessaram, a Thaís nem tinha mais instalado no celular, só entrava na versão web e a Amanda não tinha muita paciência com quem demorava para responder… Elas brincam que nem entendem como deu certo. No começo, a Thais demorou três dias para responder… mas quando respondeu, foi logo com um textão, e aí a conversa engajou. 

 

Tudo fluiu e resolveram se encontrar, foram num bar de jazz no centro do Rio de Janeiro, depois num shopping na Barra da Tijuca, até que chegaram, no terceiro encontro, ao local preferido delas (e também escolhido para fazermos as fotos): A Lagoa Rodrigo de Freitas. Escolheram lá porque é uma localização entre as duas moradias, e assim, soa mais justo para ambas. A Amanda nunca tinha ido e adorou. Lá era mais fresquinho (dialogando com o calor carioca), levaram um vinho e se estenderam noite adentro. 

 

Como na época - e nos encontros que se sucederam - elas ainda não namoravam, moravam com os familiares e as famílias não sabiam, os encontros acabavam sendo sempre na lagoa. A Thais brinca que conheceu a mãe da Amanda por obra de um destino chuvoso, uma tempestade que deixou as duas presas no trânsito sem conseguir voltar para casa, fazendo com que a mãe precisasse ir buscar, mas que nada daquilo era planejado e ela ficou super nervosa, mas que hoje em dia ambas famílias se dão bem e gostam muito umas das outras.

Amanda tem 25 anos, é formada em Letras e faz Mestrado em Literatura, com ênfase nos estudos das obras de Clarice Lispector. Ela também dá aula de redação em um projeto social, o NÓS. Além das suas profissões, adora escrever, ama observar e viver a escrita em si. Ela também adora tocar violão, teclado e gaita. Sua família é muito musical, o maior programa da casa é cantar e tocar nas horas livres. 


 

Thaís tem 28 anos, faz faculdade de Medicina na UFRJ e está no período de Internato. Perguntei como ela se viu vivendo a pandemia na faculdade de medicina, afinal, é um desafio e tanto. Ela comenta o quanto era assustador no início, mas que por ainda não ter começado o internato, não estava na linha de frente no momento mais intenso da pandemia de Covid-19. Passou muito tempo em casa, estudando à distância e sem contato com pacientes, então tudo era muito diferente, muito distante da prática. Agora, mesmo com a vacina, mas com a nova onda da variante Ômicron, conseguiu ter uma prática mais ativa, o que também gerou diversas sensações, como o medo de passar para a família e para as pessoas que ama, além do contato mais direto com as dificuldades do cotidiano na área da saúde. Tudo vira aprendizado, algo que por mais que não imaginavam viver no início da graduação, muda muitas perspectivas sobre a prática da medicina e desenvolve também uma forma de lidar diferente com as pessoas na hora do atendimento e de qualquer contato, enquanto ser humano, não só ao se fazer uma consulta. 





 

Por mais que elas já namoram há algum tempo (e inclusive comemoram todas as datas, desde o dia do match, até o dia do primeiro date e o dia do namoro em si!), passaram por diversas fases até chegar ao equilíbrio que possuem hoje. A Amanda, por exemplo, sempre foi uma pessoa mais fechada, ou melhor, elas contam o quanto são opostas nisso: a Thais é mais de estar junto, se abrir, dialogar sobre o que sente, conversar na hora… Enquanto a Amanda se isolava, sentia dificuldades em se abrir. E isso, de certa forma, acentuava-se porque as famílias também são muito diferentes - a família da Thaís já deixava ela mais distante, enquanto ela queria mais carinho, e a da Amanda “saturava” nessa presença, sendo que ela queria ficar no seu próprio canto. Foi difícil entender o passo, o ritmo. Hoje em dia, depois de muitos processos, de calma e de se compreender/entender o que falta uma na outra, elas conseguem estar mais próximas e permitir a dinâmica funcionar. 

 

A Amanda conta que sempre lidou sozinha com os seus problemas e agora, com a Thais, entendeu que pode ser diferente. Foi difícil ela desaprender a estar sozinha, mas entendeu que é bom também, que é bom ter alguém. A Thaís percebe algumas movimentações nesses ciclos, por exemplo: Na semana anterior à que nos encontramos, a Amanda passou por uma situação difícil e pediu para que a Thais fosse até a casa dela -  isso não aconteceria anteriormente, porque ela sempre passava por tudo sozinha, dessa vez pediu ajuda, um passo incrivelmente grande, que elas comemoram juntas. E a Amanda complementa dizendo que foi muito melhor com a companhia da Thais. Ainda que tenha sido uma situação chata/complicada/difícil, foi melhor com a companhia porque fez tudo ser mais fácil de ser ultrapassado. 

 

Nesses momentos, elas entendem que experimentar novas potências, ou melhor, aumentar as potências que já existem em nós, é também um ato de amor. Acolher é amar, mas também dar bronca para melhorar é amar. Amar é muito difícil. E falando isso elas lembram de uma amiga que disse “Eu acho incrível porque quando vocês brigam, vocês mudam!”, a transformação do amor é por não ficarem estagnadas, se permitem a mudança, ao incômodo de mudar para melhorar.  

Dentre a parceria que elas possuem existe muito companheirismo, como uma conexão grande e íntima, a compreensão em forma de cuidado: uma via de mão dupla, amar e ser amada. 

 

Amanda apresentou o samba para a Thais e em troca teve o Pink Floyd. Apresentou a cerveja em troca do vinho. Thais completa, dizendo o quanto isso liga as duas e o quanto mudou ela (a música em si). Antes ela era do rock e hoje em dia é super samba - a mãe dela nem acredita. Elas também vivem juntas na cozinha, amam cozinhar, são vegetarianas/veganas, fazem diversas receitas juntas e é o momento delas, de se curtir, ouvindo música e tendo algo muito voltado ao afeto. Falamos o quanto o veganismo traz um olhar de afeto na preparação do que fazemos e a Amanda conta o quanto descobriu o afeto na cozinha por meio dessas receitas só pelo relacionamento que tem com a Thais, antes, nunca tinha se aventurado no ato de cozinhar. 

 

No começo do relacionamento a Amanda descobriu ser intolerante à lactose, e por a Thais ser vegana, ela auxiliou muito no processo e na ressignificação dos alimentos. Trouxe queijos veganos, novos sabores a serem descobertos, foi uma cozinha com afeto muito compartilhada. Elas falaram diversas vezes que amor é transformar e o amor está nessas trocas de transformação, também. No jeito que se acrescentaram e se compartilharam na descoberta de mudanças, ressignificações e coisas boas no dia a dia. 

 Thais 
 Amanda